Depressão: Qual o sentido da vida?

A depressão é um transtorno de humor que vem aumentando significativamente no mundo todo.

Quais são os sintomas clássicos de uma depressão?

– Sensação de vazio;
– Choro fácil e constante;
– Interesse e prazer pela vida acentuadamente diminuída;
– Perda da libido;
– Distúrbio do sono (excesso de sono, só querer dormir, ou sua falta, isto é, insônia, acordar de madrugada, sono intranquilo, agitado);
– Distúrbio alimentar (falta ou excesso de apetite);
– Fadiga constante, desânimo, desmotivação;
– Falta de concentração, problemas de memória (esquecimento);
– Pensamentos negativos, recorrentes de suicídio;
– Desorientação, confusão mental, angústia, etc.

Mas por que a depressão vem aumentando consideravelmente?

São vários os fatores que estão provocando isso. Mas o que observo particularmente em meu consultório – cuja demanda de pacientes com esse problema é muito grande -, é que a falta de sentido para a vida, o desamor, a solidão, a falta de fé, de esperança, o afastamento do lado espiritual são os aspectos que levam a um caminho equivocado, apenas no Ter, no consumismo exacerbado, no imediatismo, esquecendo-se do Ser. Ou seja, muitos esquecem que somos seres espirituais temporariamente passando por uma experiência terrena nesta jornada em busca de mais evolução.
Entram na hipnose coletiva, esquecendo-se do verdadeiro propósito a que vieram na vida presente, achando que estão aqui pela primeira vez nesse Planeta. E o pior, acreditam que a vida começa com o nascimento e termina com a morte física, ou seja, morreu, acabou tudo. Daí entram na ilusão mental, na crise do para quê?
Para que viver? Qual o sentido da vida?
Não se recordam que vieram do plano espiritual, que é sua verdadeira morada, seu lar de origem. Por isso, a TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual, foi criada para que o paciente resgate – através de seu mentor espiritual (ser desencarnado de elevada evolução espiritual, responsável diretamente pela nossa evolução espiritual)-, o sentido de sua existência nesta jornada, seu propósito de estar neste Planeta, de onde veio e para onde voltará após sua morte física.
Não nos lembramos de tudo isso porque estamos todos – habitantes desse Planeta -, na condição de seres amnésicos, subordinados à Lei do Merecimento, uma das Leis Universais que regem o Planeta Terra.

Não foi por acaso que C. G. Jung, o grande psicanalista suíço, por acreditar que o ser humano age de forma mais inconsciente do que consciente, disse: “O consciente é uma pequena ilha localizada no mar imenso do inconsciente”.
Por isso, na TRE, quando o paciente tem maturidade (fé, humildade e o mínimo de esclarecimento acerca da espiritualidade) e merecimento, seguramente seu mentor espiritual irá lhe descortinar o véu do esquecimento de seu passado, para que saia da hipnose coletiva, da inconsciência, e consiga as respostas da causa de seu(s) problema(s), bem como sua resolução, desatando os nós, os entraves que o prendiam ao seu passado.
Huberto Rohden, filósofo, educador e teólogo catarinense, radicado em São Paulo, e precursor do Espiritualismo Universalista, dizia também: “O homem é livre de tudo o que sabe e escravo de tudo o que ignora”.

Neste aspecto, essa terapia é, sem dúvida alguma, um trabalho de libertação do ser humano.

Caso Clínico:
Depressão
Mulher de 36 anos, solteira.

A paciente veio ao meu consultório depressiva, angustiada e com dor no peito. Depois de 16 anos de namoro, descobriu que o namorado tinha inventado um monte de mentiras, pois ele a enganava tendo outra mulher.
Ao entrar em seu e-mail, descobriu que ele havia até apresentado a sua outra namorada à família dele, o que nunca ocorrera com ela. Outra mentira é que o namorado continuava casado, apesar de ter lhe dito que havia se divorciado da esposa. Confiou nele esse tempo todo, apesar de vê-lo esporadicamente, pois ele alegava que viajava muito a trabalho, e que por ser o irmão mais velho tinha que cuidar dos seus pais que eram idosos.
Após descobrir suas mentiras, passou mal, saiu “fora do ar, da realidade”, tinha sensação de que estava enlouquecendo, e viu uma luz branca que cobria todo o seu campo de visão. Tinha uma forte impressão de que nunca mais iria voltar à realidade.
Desde criança sentia depressão, uma tristeza profunda, sem um motivo aparente, e aos 21 anos tomou um coquetel de remédios para se matar (a ideia de suicídio era recorrente em sua vida).
Nasceu com atraso mental e foi curada após ter trabalhado num centro espírita como médium de incorporação dos 5 aos 10 anos de idade. Por fim, o outro motivo que a trouxe ao meu consultório era saber qual o seu verdadeiro propósito de vida.

Após passar por duas sessões de regressão, na 3ª sessão, a paciente assim me relatou: “Vejo um homem todo de branco, irradiando muita luz. Diz que é o meu mentor espiritual. Fala que já vivemos em três encarnações como marido e mulher, e que nunca conseguiu me salvar nessas três existências passadas porque morri quieta, encolhida, não falava e não comia. Em suma, morri depressiva e louca. Diz que não pode fazer nada, pois nessas três vidas passadas acabei enlouquecendo.
O meu mentor espiritual fala que o meu namorado da vida atual não é para mim, e que preciso me perdoar por não ter sido forte nas três existências passadas”.

– Pergunte-lhe por que o seu namorado a traiu e mentiu nesses 16 anos de namoro?
“Diz que ele não sabe o que quer, é um perdido, tem inveja de minha luz, e que teve a chance de ser outra pessoa convivendo comigo”.

– Pergunte-lhe o que você pode fazer daqui para frente com o seu namorado?
“Diz para soltá-lo, desapegar-se dele… Perguntei ao mentor espiritual por que ele não reencarnou comigo na vida atual, e ele me respondeu que preciso caminhar sozinha, mas que está sempre comigo. (pausa).
Agora o vejo melhor: é um chinês, alto, cabelo preto e comprido, e aparenta ter uns 35 anos”.

Na quarta sessão de regressão, a paciente me relatou: “Vejo o meu mentor espiritual sentado num banco branco, num jardim. Pede para eu sentar do lado dele. Diz que tenho que decidir o que quero e descobrir do que gosto, quem sou, e parar de sentir medo e pena de mim. Fala que tenho medo de viver, que preciso sair dessa submissão que vem dos meus antepassados por parte de minha mãe (paciente é oriental).

Reitera que preciso quebrar essa submissão familiar, saindo dessa sintonia, dando um passo à frente, não abaixando a cabeça como venho fazendo, valorizando-me, resgatando a minha autoestima e autoconfiança. Afirma que fiquei muito tempo quieta, submissa ao meu namorado nesses 16 anos de convivência”.

Na 5ª e última sessão, notei que a paciente estava mais calma, mais segura de si, não estava mais chorando por causa de seu namorado. Ela me relatou: “O meu mentor espiritual fala que de agora em diante vamos caminhar juntos, que posso pedir ajuda para ele quando precisar, que ele vai falar comigo. Diz que no início ele irá aparecer para mim em sonho, e que depois vou poder vê-lo do meu lado.
Esclarece que quanto mais eu fizer a oração do perdão (pedi para ela fazer a oração do perdão para o seu namorado) mais vou enxergar as coisas, ver o caminho e começar a decidir com mais firmeza. Revela que a palavra chave é paciência, e que vai me mostrando o que preciso saber aos poucos”.

– Pergunte-lhe o que você precisa saber aos poucos?
“O que for sendo permitido, diz que vai me mostrando, pois tenho ainda muitas coisas para aprender. Mas que tenho que ter humildade para enxergar, bem como para orar”.

– Pergunte ao seu mentor espiritual o que aconteceu para você ter saído “fora do ar, da realidade”?
“Diz que fui tomada por vários obsessores espirituais, que fiquei no centro do círculo rodeado por eles, e para não incorporá-los, os seres de luz interviram; por isso, vi uma luz branca que cobria todo o meu campo de visão. Esclarece que se tivesse ficado na escuridão, aí sim, eles iriam tomar conta de mim”.

– Pergunte-lhe por que você nasceu com atraso mental?
“Foram resquícios das três vidas nas quais morri louca; fala que se não tivesse trabalhado como médium naquele centro espírita, até hoje estaria com esse atraso mental. A tristeza profunda que desde criança sinto é também resquício das três vidas em que morri depressiva e louca”.

– Pergunte ao seu mentor espiritual qual o seu verdadeiro propósito de vida?
“Viver plenamente com a família que irei construir, crescer profissional e espiritualmente, me realizar na vida, entregando-me de coração. Revela ainda que o processo de limpeza do meu espírito está terminando, e que a partir daí, ele vai me mostrando o caminho que vou ter que seguir. Mas afirma que por ora tenho que ter calma, paciência e orar”.

– Pergunte-lhe em relação ao seu namorado, se ele tem algo mais que você precisa saber?
“Diz que ele também vai se encontrar”. (pausa).

– Pergunte se ele tem mais alguma coisa a lhe dizer em relação ao nosso tratamento?
“Fala que primeiro vou ter que seguir direitinho o que ele me orientou nessa terapia e, se for necessário, vou voltar novamente ao consultório do senhor, que serei intuída por ele. Ele agora está se despedindo, indo embora”.

 

 

Anúncios

Um comentário em “Depressão: Qual o sentido da vida?

  1. esses relatos da terapia de alguma forma me ajudam, me fazem refletir sobre alguns momentos que eu passo na minha vida , mas o que eu queria mesmo era poder vivenciar essa TRE…como eu queria !

    Curtir

Os comentários estão encerrados.