A Vida é um jogo de quebra-cabeça

Entender a vida em sua plenitude é algo bastante complexo, pois a enxergamos através da “fresta de uma fechadura”. No entanto, as pessoas racionais, cartesianas, materialistas, querem entendê-la de uma forma lógica, racional como se ela fosse uma ciência exata. Reconheço que era uma dessas pessoas, pois como psicólogo de formação, fui treinado na Universidade a buscar respostas lógicas para a causa dos problemas que afligem o ser humano, procurando ajudá-lo em seu processo de autoconhecimento e mudança interna.

Os anos de estudos acadêmicos me tornaram um ser humano mais sofisticado intelectualmente, porém, “emburreci” espiritualmente, pois assuntos ligados à espiritualidade, como reencarnação, vidas passadas, carma, evolução espiritual, plano espiritual de luz (astral superior) e das trevas (astral inferior), obsessão espiritual, mediunidade, comunicação com os espíritos, etc., não faziam parte da grade de ensino do curso de psicologia (aliás, ainda hoje).
Os professores justificavam que eram assuntos considerados de âmbito religioso, portanto, não científico, sem comprovação científica, pertinentes à religião.

Assim, me tornei um psicólogo “científico”, “racional”, “lógico”, me sentia autossuficiente, não tinha consciência de minha arrogância, presunção em relação à vida. Após ter me especializado em psicanálise e análise transacional, desqualificava as crenças religiosas de meus pacientes, adotando uma postura de “apóstolo da ciência” que combatia as superstições, as fraquezas e a ignorância do ser humano.

Mas a vida acabou me curvando, pois suas vicissitudes me levaram a entrar numa profunda crise existencial, obrigando-me a descer do pedestal e rever os meus pensamentos, crenças, valores e preconceitos.

Sabemos que a evolução humana se dá por dois caminhos: pela dor ou amor e, como a maioria dos seres humanos, escolhi o caminho da dor.
Na condição de ser espiritual em evolução, passando temporariamente por uma experiência terrena, como aprendiz no processo evolutivo, hoje me considero “professor” e “aluno” em relação aos meus pacientes, pois na TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) – A Terapia do Mentor Espiritual – Abordagem psicológica e espiritual breve, criada por mim em 2006, estou sempre aprendendo com eles e, principalmente, com os seus mentores espirituais, que são seres de profundo amor e sabedoria, responsáveis pela nossa evolução espiritual.

Desta forma, nesta terapia, considero-me um “coxo” (manco) tentando ajudar um “cego” (paciente) a atravessar a rua. Apesar de minhas imperfeições, maus hábitos, resgates cármicos, que trago de outras existências, isso não me invalida como terapeuta de ser um facilitador da abertura de comunicação entre o meu paciente e o seu mentor espiritual, para que ele possa receber suas sábias orientações acerca da causa de seus problemas e sua resolução.

Após ter conduzido mais de 20.000 sessões de regressão e de ter presenciado inúmeros benefícios que meus pacientes conseguiram na TRE, considero-me um privilegiado, um abençoado, por estar aprendendo sempre com as lições de vida, amor e sabedoria que esses seres benfeitores passam aos meus pacientes.

Com as experiências de regressão vivenciadas por eles, aprendi também que a vida é realmente um jogo de quebra-cabeça, por conta do “véu do esquecimento” – barreira da memória que se manifesta em forma de amnésia, que nos impede de acessarmos as memórias de nossas existências passadas -, e que nos tornam ignorantes, inconscientes acerca de nós mesmos e da vida.
Por isso, o grande psicanalista C. G. Jung, discípulo de Freud, dizia: “O consciente é uma pequena ilha localizada no mar imenso do inconsciente”. Sendo assim, somos mais inconscientes do que conscientes nessa vida terrena.
Eu me recordo que quando cursava o ensino médio (antigo colegial), na prova de filosofia, a professora pediu para que os alunos explicassem o que cada um entendia da máxima “Conhece-te a ti mesmo”, em que Sócrates (filósofo grego do séc. V a.C.) recomendava aos seus discípulos.
Resultado: tirei um zero bem redondo, pois me deu um branco, não conseguia escrever absolutamente nada nessa prova. Hoje, aos 59 anos, ainda fico em dúvida se me conheço verdadeiramente.

Perguntaram a Tales de Mileto (filósofo e matemático grego, que também viveu no séc. V a.C.) qual era a tarefa mais difícil do ser humano?
“Conhecer a si mesmo”, assim respondeu o filósofo.
De onde vim? Qual é o meu verdadeiro propósito de vida? Para onde irei após minha morte física?

São perguntas que a grande parcela das pessoas não sabe responder, por conta do véu do esquecimento que as tornam amnésicas, inconscientes acerca de seu passado e de suas vidas. Mas, certamente, os nossos mentores espirituais sabem. Por isso, nessa modalidade de terapia, a TRE, o mentor espiritual do paciente que conduz o processo terapêutico, pois o conhece profundamente, sabe muito bem

acerca da causa e resolução de seus problemas, bem como os aprendizados necessários, lições benéficas à sua evolução espiritual.

Como terapeuta, nessa terapia, sou um facilitador, busco auxiliar os mentores espirituais na condução do processo terapêutico, bem como abrir o canal de comunicação para que o paciente possa conversar diretamente com o seu mentor espiritual.

 

Caso Clínico:
Por que sinto angústia, um vazio, que a vida não tem sentido?
Mulher de 50 anos, casada, dois filhos.

Paciente veio ao meu consultório queixando-se que sentia uma angústia, aperto no peito (desde os 12 anos), um vazio, sensação de que a vida não tinha sentido. Por isso, tinha que fazer um grande esforço para viver.
Sofria de claustrofobia (pavor de lugares fechados), síndrome de pânico (quando ficava longe de sua família), agorafobia (pavor de andar na rua, por conta do medo de sofrer uma crise de pânico e não ser socorrida).
Sofria também de dores constantes nas costas, labirintite, não se sentia uma boa mãe, apesar de sua preocupação excessiva de perder o filho mais velho e, por último, queria saber qual era o seu verdadeiro caminho profissional.

Ao regredir, ela me relatou: “Vejo um senhor idoso, barba e cabelos grisalhos, usa uma túnica branca… Ele fala que o seu nome é Horácio, e que é o meu mentor espiritual. Vejo também ao seu lado, aqui no consultório, vultos escuros… um deles parece ser um rapaz, e me chama de mãe (paciente fala chorando).
Ele me diz: ‘Foi muito triste a gente perder a senhora, mãe. A senhora se foi e não voltou mais’. (pausa)”.

– Pergunte a esse ser espiritual o que aconteceu para você não voltar mais? – Peço-lhe.
” A senhora, nessa vida passada, trabalhava como doméstica em uma casa grande e rica, e só voltava para nosso lar a cada vinte dias. Não tínhamos o pai porque ele veio a morrer de pneumonia.
Então, a senhora teve que trabalhar para nos sustentar, pois éramos cinco filhos, todos pequenos, e eu era o mais velho, tinha 9 anos.
Tenho muita saudade da senhora, pois fomos parar num orfanato e depois separados. A senhora não voltou mais para casa, ficamos esperando, esperando… e ficamos sem comida. A senhora dizia para não sairmos, pois tinha medo de acontecer algo de ruim com a gente.
Fazia muito frio, acabei saindo na rua, e falei com uma senhora que nos ajudou, dando comida, mas ela chamou a polícia. Fomos para um orfanato, fora da cidade.
Nunca mais vimos a senhora, só a encontramos agora nessa vida atual. Ficamos sabendo, após o nosso desencarne, que a senhora tinha adoecido, e que o seu patrão a internou no hospital porque tinha contraído pneumonia. A senhora não morreu porque era muito forte e quando voltou para casa, não nos encontrou, ficou desesperada. Não tínhamos recursos, pois éramos pobres, tudo era muito difícil nessa vida. (pausa).
O meu mentor espiritual está me dizendo que, por conta dessa existência passada, vim na vida atual sem alegria, angustiada, triste, com um vazio interior porque nunca mais vi os meus filhos (paciente fala chorando)”. (pausa).

– Pergunte ao seu filho mais velho dessa vida passada se ele gostaria de lhe dizer mais alguma coisa? – peço à paciente.
” Diz que queria que eu lembrasse dessa história, pois eles não querem me ver mais triste. Eles sabem que eu não voltei para casa de propósito, mas que foi uma fatalidade do destino. Querem que eu sorria, que fique alegre, para que eles possam ir para a luz. Ele pedem para eu voltar a sorrir, pois não querem mais me ver triste (paciente fala, chorando muito).
O meu mentor espiritual me revela que sempre fui uma mãe dedicada nessa existência passada e também na atual, e que essa ideia que não sou uma boa mãe vem dessa vida em que senti muito culpada pelo desaparecimento desses filhos; isso explica também porque na vida atual tenho tanto pavor de perder o meu filho mais velho, pois transferi o sentimento de perda desse filho mais velho da vida passada, pois era muito apegado a ele.
Horácio, o meu mentor espiritual, revela ainda que os meus filhos dessa vida pretérita virão como meus netos, e que irei reconhecê-los.
A minha claustrofobia, a dor nas costas, crises de labirintite, e de pânico, diz que vêm de uma outra vida em que fiquei presa como escrava, onde fui acorrentada. Revela que essa vida foi após àquela em que perdi os meus filhos, e que acabei ficando louca, vindo a falecer.
Horácio fala que é por isso que quando vêm as crises de pânico e agorafobia tenho medo de enlouquecer e vir a morrer sozinha, desamparada, pois foi dessa forma que morri naquela vida.
Fala ainda que ele é o meu falecido marido que morreu de pneumonia, e que me deixou viúva com cinco filhos (paciente fala chorando).
Mas diz que, agora, o meu caminho profissional se abrirá, e que como terapeuta se puder associar o lado espiritual com a prática do Reiki, será um bom caminho.
Finaliza dizendo que, após ter entrado em contato com a verdade de meu passado (o mestre Jesus dizia: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”), vou me perdoar, pois não tive culpa pela perda de nossos filhos.
Está agora se despedindo, junto com os meus filhos, indo em direção a uma Luz maior”.

 

Realize uma sessão de regressão e receba orientações e previsões com muita propriedade, profundidade e sabedoria de seu Mentor Espiritual para 2015.

Consulta Presencial ou via Skype com duração de 2 horas.

Atendimentos de 2ª a Domingo.

Valor R$ 600,00 reais.

Contatos: osvaldo.shimoda@uol.com.br / (11) 5078-9051 (11) 94107-7222.

Anúncios

2 comentários em “A Vida é um jogo de quebra-cabeça

  1. Que relato lindo e esclarecedor… me tocou bastante.
    Quantas dores sentimos, sensações diversas, onde a causa não está na vida presente.
    Pena que nem todos sabem disso e não buscam esclarecimento.
    Gratidão , luz e paz

    Curtir

Os comentários estão encerrados.